[ editar artigo]

Aquisição de Dados na Stock Car

Aquisição de Dados na Stock Car

Hoje o assunto é Aquisição de dados na Stock Car!


Todas as categorias do mundo contam com um sistema de aquisição de dados ou telemetria. Facilmente você vai ouvir pessoas falando em sistema de telemetria quando na verdade trata-se de um sistema de aquisição de dados. A diferença é que o sistema de telemetria acontece de forma remota, ou seja, enquanto o carro está andando na pista, todas as informações do carro são transferidas para a equipe por ondas de rádio ou, como acontece atualmente na Formula 1, através das redes de telefonia móvel.

A Stock Car hoje conta com um sistema de aquisição de dados. Ou seja, as equipes têm acesso a toda informação do carro somente depois de conectar um cabo ao carro e aquisitar os arquivos.

Na temporada atual temos mais de 50 sensores, desde os mais simples, como velocidade de roda, até sensores mais complexos, como monitoramento de injeção de combustível e do sistema de troca de marchas, sendo que alguns desses dados só podem ser aquisitados pelo organizador do evento que é responsável pela calibração do motor e do sistema de troca de marchas.

Durante um final de semana de corrida, a equipe analisa e estuda os dados incansavelmente com 2 objetivos principais listados aqui por ordem de importância:

1.Monitorar/Prever/Corrigir problemas elétricos e mecânicos

2.Analisar performance do piloto e do carro

O mais importante é monitorar/prever/corrigir problemas elétricos e mecânicos. Por um simples motivo: não adianta ser o mais rápido da pista com um carro quebrado. Então as equipes analisam dados de temperatura de água e óleo bem como voltagem de bateria, valores de sondas lambda, pressão de combustível, além de outra infinidade de sensores, podendo adiantar todo tipo de problema que possa acontecer com o carro.

Tendo certeza que tudo está em seu funcionamento perfeito, vamos para a parte de performance, afinal agora que temos certeza que o carro não vai quebrar, ele precisa ser o mais rápido da pista. Para isso, temos mais uma boa lista de sensores, como por exemplo: ângulo de volante, pedal de acelerador, pressão dos freios, força lateral e longitudinal e rotação do motor.  Com esses dados conseguimos identificar se o piloto está aproveitando toda a performance do carro e espaço da pista.

Toda essa analise é feita usando softwares específicos que são largamente utilizados no automobilismo mundial. Como disse anteriormente, não temos as informações enquanto o carro está na pista, mas o piloto as tem através do painel. Temos a possibilidade de configurar diversos alarmes e informações para o piloto. O mais importante para o piloto é focar em performance, desde que não tenha nada de errado com o carro. Por exemplo, no caso de uma queda de pressão de óleo, imediatamente o sistema muda a página principal (que tem informações de tempo de volta, velocidade e rotação do motor) para a página de alertas, indicando qual o problema do carro. Sendo assim, o piloto reporta o alarme para a equipe e, no momento em que para o carro no box, os mecânicos e engenheiros já sabem o que procurar, economizando minutos importantes.

Auto Masters
Tiago Cortez
Tiago Cortez Seguir

Engenheiro Motorsport da Lubrax | Podium Stock Car Team

Ler conteúdo completo
Indicados para você