[ editar artigo]

Veja como diagnosticar defeitos de ignição no veículo. Vem comigo...

Veja como diagnosticar defeitos de ignição no veículo. Vem comigo...

Dentre os diversos sistemas em um veículo o sistema de ignição é um dos principais. Composto, na maioria das vezes, por Bobina (foto 1), Cabos de vela (foto 2) e Velas de ignição (foto 3) é responsável por fornecer a centelha na vela de Ignição, onde se inicia a combustão dentro do cilindro e após isso o movimento dos pistões acontece.


Estudos indicam que cerca de 70% dos defeitos em um veículo estão ligados direta ou indiretamente ao sistema de ignição, ou seja, influenciam no sistema de ignição. Com isso se entendermos o sinal podemos chegar assertivamente na solução da maioria dos problemas em um veículo.

Com uma ferramenta específica (foto 4) e um osciloscópio, capturamos o sinal do secundário da bobina, vamos analisa-lo a seguir...


 

1 - Tempo de carregamento da bobina.
É o tempo em que a ECU do motor manda sinal para carregar eletricamente o setor primário da bobina. Neste momento temos o acúmulo de "força" da bobina.
Problemas vindos da ECU do motor podem influenciar diminuindo o tempo de carregamento e com isso resultando em um baixo acúmulo de "força" da bobina.

2 - Tensão de pico de disparo.
Neste momento o sinal de carregamento do primário é cortado e os elétrons agitados precisam ir para algum lugar, os elétrons "pulam" para o enrolamento secundário da bobina e chegam até a vela de ignição, na vela temos o GAP de abertura dos eletrodos e a TENSÃO DE PICO é justamente a força que a bobina realiza para fazer a centelha "pular" de um eletrodo a outro da vela. Problemas mecânicos de compressão no cilindro podem aumentar ou diminuir a tensão de pico bem como problemas de desgaste nas velas.


 

3 - Tensão/Tempo de ignição.
Neste momento a centelha está "ligada" na vela de ignição e continua ligada de acordo com o tempo que a ECU do motor determinar. O tempo de ignição pode ser influenciado negativamente se a bobina não estiver saudável (famoso código de falha P300 ...) gerando com isso os famosos encurtamentos no tempo de ignição(ou de queima). Já a tensão de ignição pode aumentar caso tenhamos algum componente oferecendo resistência acima da projetada, por exemplo, cabos de vela com defeito.

4 - Tensão residual da bobina.
A Tensão residual é o final do processo, quando o sinal da bobina cessa e temos essa tensão residual significa que a bobina está saudável. O resultado do trabalho da bobina não termina como uma chave liga/desliga a tensão resultante deste trabalho é dissipada pelo bloco do motor que está em contato direto com o eletrodo massa da vela de ignição. Uma bobina defeituosa não gera essa tensão residual e em alguns casos velas de ignição muito gastas também influenciam neste sinal.

Entender como um componente ou sistema funciona é primordial para solucionar com precisão a falha em um veículo, diminuindo com isso a troca de peças desnecessárias, dando margem para cobrar uma mão-de-obra mais justa, e diminuindo o orçamento final para o dono do veículo.

E aí, gostou do conteúdo?! Me siga aqui na AutoMasters para mais conteúdos como este. Até a próxima !!

Auto Masters
Denilson Alves
Denilson Alves Seguir

Reparador automotivo, atuando hoje na maior SISTEMISTA de tecnologia automotiva do mundo. Especialista em Diagnostico Avançado. Trabalhando diariamente com equipamentos automotivos como ferramentas especiais, scanners e osciloscópios.

Ler conteúdo completo
Indicados para você